Sexta, 24 Outubro 2014
Email
Adicionar aos Favoritos
RSS

escola tecnológica do litoral alentejano

No ensino técnico e profissional de qualidade, desde 1990.



 
youtube_logo

 

PARCEIRO:

ISA_Portugal2Col 

 

 

 

Pelo Código dos Contratos Públicos (CCP), todas as compras por entidades públicas deverão ser realizadas por via eletrónica em Plataformas Eletrónicas de Contratação, pelo que a ETLA adotou a Plataforma Eletrónica de Contratação vortalGOV.


Actividade no portal

Temos 34 visitantes em linha
Photo Photo Photo Photo Photo Photo Photo Photo
Escola Tecnológica do Litoral Alentejano

 
Em 2015 vão faltar oito mil informáticos

"Temos 60 vagas por preencher em várias funções na área de tecnologias de informação (TI)", afirma Ricardo Carvalho, presidente e fundador da Prime IT, uma consultora que faz outsourcing para grandes empresas portuguesas, iniciou a internacionalização em França, emprega mais de 430 pessoas e espera faturar €21 milhões no final de 2014. "Receio que a falta de pessoas qualificadas refreie o nosso crescimento", acrescenta o empresário de 36 anos.

A dificuldade que a Prime IT está a ter em recrutar é um dos sinais claros que apontam para pleno emprego entre os profissionais de TI ou até mesmo para uma situação em que a oferta não está a satisfazer a procura, não só de empresas portuguesas como também de multinacionais que se estão a instalar em Portugal. Paradoxalmente, o desemprego entre os jovens portugueses qualificados continua a ser alarmante, por haver uma inadequação entre as competências disponíveis e as necessidades do mercado de trabalho nestas áreas tecnológicas.

Procura supera oferta

O estudo E-Skills in Europe de janeiro de 2014 revela, em relação a Portugal, que em 2012 faltavam 3900 profissionais de TI. Mas a situação tende a agravar-se nos próximos anos com o provável aumento salarial em algumas áreas. Em 2015, segundo o mesmo estudo, esse défice de especialistas em TI vai atingir os 8100 e em 2020 haverá 15.000 postos de trabalho por preencher.

Foi para debater este desencontro entre a oferta a procura na área dos recursos humanos e encontrar soluções que se reuniu ontem em Lisboa a conferência Cimeira Grand Coligation for Digital Jobs, com diversos especialistas e empresários do setor. A iniciativa, que tem o apoio institucional da Comissão Europeia, terá em Portugal medidas concretas que serão postas em prática pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e pela delegação portuguesa da CIOnet, a maior rede europeia de diretores de TI da Europa.

"É preciso reter recursos humanos no sector das tecnologias, requalificar os jovens em tecnologia ou, noutros casos, atualizar as competências", diz Rui Serapicos, presidente da CIOnet Portugal. Ou seja, o objetivo da Grand Coalition de TI em Portugal passa por "atrair jovens para graus académicos na área de informática, 'reciclar' os profissionais desempregados e atrair 'geradores' de emprego digital para o país".

Segundo o estudo eSkills, o sistema de ensino português de engenharias informáticas também deverá evoluir de um forte ênfase em áreas ligadas ao equipamento informático (como ciências da computação), que são mais dificilmente absorvidos pela economia, para áreas de software que têm mais empregabilidade.


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/

 
O que os nossos ex-alunos pensam de nós

…tive o grato prazer de conhecer e trabalhar com grandes profissionais, que me formaram com dedicação e empenho.

João Encarnação - Barcelona 2014Depois de 20 anos, a que na altura era a Escola Profissional Neste, é uma referência incontornável para o que sou hoje como profissional e pessoa.

Tudo começou em 1990 quando tinha treze anos e ouvia falar pelos corredores do liceu de Sines da abertura de uma escola profissional nas instalações da Neste. Imediatamente fiquei interessado no conceito de continuar os meus estudos num ambiente industrial, essencialmente para poder vir a integrar mais facilmente o mercado de trabalho local.

Quando fiz os exames de admissão na escola em 1991, apercebi-me imediatamente do elevado grau de exigência da escola, ao qual tive de responder com uma atitude de esforço, dedicação e excelência durante os três anos do curso de Química.

Durante a minha formação tive o grato prazer de conhecer e trabalhar com grandes profissionais, que me formaram com dedicação e empenho. Nunca foi fácil a vida e o trabalho na escola, mas era precisamente o seu constante tom desafiador que nos ajudava (alunos) a descobrir um potencial que desconhecíamos e seguramente que nunca se haveria despertado numa escola secundária normal.

Os meus estudos na escola (entretanto mudava o nome para Escola Profissional Borealis) culminaram com a minha PAP em 1994, realizada na Instalação de Tratamento de Efluentes (ITE) e que se integrou num projecto Europeu PETRA. Foi um ano extraordinário onde o contacto directo com o ambiente fabril ultrapassou todas as minhas expectativas iniciais em relação à formação que buscava. No entanto. e por ironia do destino, foi precisamente neste ambiente que a minha vida adoptou um rumo que me forçaria a continuar os meus estudos, desistindo completamente da ideia de iniciar de imediato uma actividade profissional.

Durante a minha PAP, estudei os processos de depuração biológica da ITE onde se aplicavam inóculos de micro-organismos imobilizados em resinas. Foi então que ouvi pela primeira vez a palavra biotecnologia. O meu fascínio por esta ciência forçou-me a procurar uma formação superior, sendo que na altura apenas existiam dois cursos a nível nacional: um em Braga e outro em Faro.

Continuar...
 

…ser capaz de oferecer uma formação de reconhecida qualidade e que vai de encontro as necessidades emergentes do tecido empresarial que serve…

Desde sempre que a aicep Global Parques, enquanto empresa dedicada a gestao de parques industriais e logísticos e na oferta de serviços especializados em localização empresarial, tem procurado identificar e promover os fatores criticos que concorrem para a captacao de projetos de investimento.

Entre esses conta-se, indiscutivelmente, a oferta formativa, nomeadamente aquela que se apresente como mais diretamente ligada a atividade empresarial em causa, seja ao nível, da oferta inicial, seja ao nível, do que recorrenternente se designa por formacao permanente de ativos.

É neste quadro que uma escola como a ETLA assume um papel verdadeiramente essencial para fazer de Sines, e da sua Zona Industrial e Logística, uma região particularmente bem posicionada para a captação de importantes projetos de investimento nacionais e internacionais.

Ao ser capaz de oferecer uma formacao de reconhecida qualidade e que vai de encontro as necessidades emergentes do tecido empresarial que serve, necessidades permanentemente atualizadas e renovadas, a ETLA cumpre não só uma importante missão na criação de relevantes oportunidades de qualificacao e de elevada empregabilidade para os jovens que a frequentam, como, cumpre igualmente, um relevante papel no referee da competitividade de Sines como uma localizacao de excelencia e como uma região de grande vitalidade económica.

A ETLA tem pois sabido ao longo destes anos responder as expectativas que foram criadas com a sua criação e, estou certo, continuara a saber reinventar-se, fazendo da sua já considerável experiência, uma importante base para, ajustando a usa oferta formativa aos novos desafios que a comunidade em que se insere lhe impõe, continuar a ser uma referência na formação de todos aqueles que dela usufruem.

 

Miguel Fontes

Administrador Executivo da aicep Global Parques, S.A.

Maio de 2014

 
 
<<  Outubro 2014  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  S  Do 
    1  2  3  4  5
  6  7  8  9101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
 
exalunos
 
 

 

Promotores da ETLA:

 


 

 

 

 

 

 

SinesTecnopolo

.

 

 

Support Wikipedia Copyright © 2014. ESCOLA TECNOLÓGICA DO LITORAL ALENTEJANO